Sem crise! Como inovar em tempos difíceis

February 2, 2018

 

Sempre que falamos em inovação muitas pessoas logo contra argumentam que em tempos de crise não se deve pensar em inovação. Mas será que isso é verdade? Bom, já lhes adianto que não é verdade, pois na crise a inovação é uma aliada.

 

Todo mundo já ouviu aquela conversa que crises são oportunidades disfarçadas, mesmo que seja uma ideia meio romantizada, ou até mesmo com um pouco de falácia, tem o seu fundo de verdade, pois para o bem ou para o mal é um momento de mudança. Mas o que geralmente se explica a quem nos traz este argumento é que inovação não é sinônimo de investimento, mas pode ser cortar custos ou otimizar os processos, portanto casa bem com momentos de crise financeira. Por exemplo se inovarmos internamente e tornarmos os processos da nossa empresa mais eficiente e que agreguem valor aos clientes teremos mais economia com maior percepção de valor. Rever os processos de uma empresa é uma das ações principais em momentos de crise. O que acham? Então, dá pra inovar na crise?

 

Com este artigo aqui queremos fazer uma proposta ousada, aplicar o design thinking para tornar as empresas mais competitivas a partir da redução de custos. Queremos que os empreendedores utilizem as técnicas e métodos de design thinking em dinâmicas de resolução de problemas com envolvimento de equipes formadas por pessoas de todos os setores da empresa, para resolver problemas relacionados aos custos de gestão. Esperamos que a inovação espante o fantasma da crise que paira em nosso país e tem prejudicado algumas empresas.

 

Agora muitos leitores devem estar questionando se vale a pena fazer isso, mas queremos insistir que vale a pena! Sabemos que é muito mais fácil ir ao setor financeiro abrir as planilhas de controles, identificar alguns custos que podem ser cortados e proceder com esta ação, como muitas vezes foi feito no passado em todas as empresas. Mas envolver as pessoas na solução de problemas é uma oportunidade única que todo empresário tem de aproveitar o potencial das equipes na construção de soluções inovadoras e identificar soluções altamente aderentes à realidade da empresa.

 

Então agora reúna sua equipe e proponha a eles este desafio: desenvolver a inovação para deixar o negócio mais competitivo e diminuir custos no negócio. Temos certeza que com um processo de design thinking bem feito será possível criar oportunidades neste período de crise econômica.

 

 

Cortar custos sem cortar o valor do negócio!
 

Para quem ainda está com dúvidas de utilizar um método de inovação e criatividade para uma área altamente estratégica, lembramos que a inovação está ligada tanto ao desenvolvimento de produtos e serviços quanto aos processos, organização e marketing. Em todas estas áreas existem problemas que podem ser abordados para criar estratégias de redução de custos sem diminuir a percepção de valor do negócio pelos clientes.

 

O conceito da Estratégia do Oceano Azul desenvolvido por Kim e Mauborgne defende que para entrar em mercados inexplorados deve-se fazer dois movimentos simultâneos, que é aumentar o valor para os clientes e diminuir os custos para a empresa. Esta é um desafio que faço: criar alternativas de redução de custos sem comprometer o desempenho do negócio. A Estratégia do Oceano Azul rejeita a abordagem tradicional de que quanto maior a diferenciação do produto maiores os custos.

 

Para espantar o fantasma da crise e trabalhar a inovação utilize o Modelo das Quatro Ações proposto pelos autores da teoria do Oceano Azul. Este modelo é baseado nas perguntas:

 

1 – Quais fatores que o setor considera indispensáveis deve ser eliminado?

2 – Que fatores devem ser reduzidos bem abaixo do padrão do setor?

3 – Que fatores devem ser elevados bem acima do padrão do setor?

4 – Que fatores devem ser criados que o setor nunca ofereceu?

 

 

Bora trabalhar?
 

Já falamos da importância do Design Thinking para solução de problemas, então vamos para o desafio que eu proponho: usar o Design Thinking para diminuir os custos da empresa e tornar a sua empresa mais competitiva em meio à crise. Temos certeza que não há crise que resista à inovação com design thinking.

 

Para usar o Design Thinking com esta finalidade organize equipes de profissionais de diferentes setores e coloque todos para abordar os problemas relacionados aos custos do negócio e suas implicações na proposta de valor da empresa. Abordem a crise econômica a partir das diversas perspectivas, para compreender o problema a fundo. Estabeleça prazos para as equipes desenvolver o projeto e percorra o fluxo das abordagens do Design Thinking do início ao fim, se precisar imprima os textos do nosso blog que explicam como fazer cada etapa e sigam as instruções abaixo:

 

Boas práticas durante o projeto

 

  1. Priorize grupos de 5 pessoas, mais que isso dificulta a interação entre as pessoas

  2. Inicie com dinâmicas que construam um clima positivo e de empatia no grupo

  3. Crie uma conexão emocional e verdadeira entre os membros das equipes

  4. Abordem os problemas exaustivamente e observem o ambiente de trabalho

  5. Descrevam os claramente os problemas a serem resolvidos, conversem com os envolvidos

  6. Faça com que todos os envolvido se coloquem no ponto de vista dos outros

  7. Utilize postit, desenhos, canvas e jornadas do usuários

  8. Questione sempre! E faça perguntas inteligentes

  9. Convide fornecedores e parceiros externos para obter uma visão de quem está do lado de fora

  10. Priorize a implantação de ideias com alto potencial de impacto

 

Como falamos no início desta série de artigos o Design Thinking ajuda a desenvolver a inovação por meio de um conjunto de técnicas que fazem os empreendedores questionarem-se e descobrir oportunidades de negócios. Este é um método que permite às empresas abordarem a inovação e obter resultados diferentes daqueles que já foram obtidos, é um método para revolucionar a maneira de encontrar soluções pelas empresa. E isso é importante porque nunca sabemos aquilo que o futuro nos reserva e precisamos nos preparar diversificando as ferramentas de solução de problemas. Portanto, períodos de crise exigem ações diferentes daquelas comumente utilizadas pelas empresas e permite chegar a soluções até então não previstas.

 

Então comece logo a usar estas técnicas para resolução de problemas e se precisar de ajuda entre em contato aqui neste post que trocamos uma ideia.

 

 

 

Sobre a autor:

Gustavo Canova

Pesquisador no Centro de Empreendedorismo Inovador da Fundação Certi e atua na execução do InovAtiva Brasil programa de aceleração de startups e fundador da startup e-Ajuste, uma legaltech na área do Direito Tributário.

(www.eajuste.com.br)

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags